#14 – Fala comigo, que eu falo contigo

GIF, emoji, sticker, áudio, texto, foto e vídeo. Quantas são as formas para se comunicar por um celular? O que conseguimos transmitir por essa pequena tela? Como os aplicativos de mensagem ajudam a fazer pesquisa antropológica quando se está longe, quando se está no meio da pandemia? Flávia Medeiros, antropóloga Ler mais…

# 13 – O jogo do vai e vem

Só ouve história quem conta história. Este é um princípio ético, metodológico e também teórico para a Antropologia que a Luciana Hartmann produz com crianças, suas professoras, nas escolas. História para se apresentar e também para conhecer a outra pessoa. Histórias para dar aulas, fazer pesquisa, escrever e apresentar resultados. Ler mais…

# 12 – Uma pegadeira de palavras

No dia 11 de março de 2021, o desastre nuclear na cidade de Fukushima/Japão completa uma década. Naquele ano de 2011, Suzane Alencar Vieira estava começando a pensar sobre sua pesquisa de campo do doutorado em Antropologia e foi mobilizada pelo que aconteceu em terras japonesas. Encontrou também no Brasil, Ler mais…

# 9 – Antropologia do vuco-vuco

O que seria uma Antropologia com o pé no chão, orgânica, visceral? É assim que Elisângela Maranhão, do “Grupo Comunidade Assumindo suas Crianças”, e Catarina Morawska Vianna, da Universidade Federal de São Carlos, trabalham juntas. Não é uma Antropologia feita pela Catarina sobre o bairro de Peixinhos ou no Grupo Ler mais…